Somente quem passou para saber...


Foto: DOR DE UMA MÃE:

Você me pergunta como estou me sentindo,mas você realmente quer saber? No momento em que eu tento dizer-lhe você diz que você tem que ir...Como posso te dizer, o que tem sido para mim viver sem meu filho, estou morta por dentro, estou quebrada e anestesiada por coisas que você não vê, não entende, a saudade e a dor são as piores...
Você me pergunta como estou me segurando,mas você realmente se importa? No momento em que eu começar a falar do meu coração, você começará a se contorcer em sua cadeira.
Porque eu sou tão solitária,você vê, os amigos já não vêm mais aqui, ninguém quer conviver com a dor, ninguém quer conviver com alguém que sabe tudo o que a morte pode nos tirar...
Vou levar as palavras que eu quero dizer e silenciosamente sufocá-las dentro de mim.
Todo mundo me evita agora, eu acho que eles não sabem o que dizer, eles me disseram que sempre estariam aqui por mim,
e em seguida, viraram-se e afastaram-se, chame-me se você precisar de mim, isso é o que todo mundo disse, mas como posso chamar e gritar no telefone a frase que nem eu mesma consigo escutar...Meu Deus, meu filho está morto...
Ninguém vai me deixar dizer as palavras que eu preciso dizer,
por que a dor de uma mãe faz com que todo mundo vá embora?
Estou cansado de fingir meu coração martela em meu peito,
Eu digo as coisas para torná-lo confortável, mas a minha alma não encontra descanso.
Como posso dizer-lhe coisas que são tão tristes até para serem ditas? Como falarei da dor de segurar o corpo de meu filho morto, frio, nos meus braços?
Talvez você possa me dizer, como deve-se comportar, quem teve que seguir o caixão de um filho sendo levado, assisti-lo sendo  empoleirado acima de outro túmulo?
Você não pode imaginar o que foi para mim naquele dia ter que ao invés de beijar o rosto quente de um bebê, dar um beijo final sobre uma caixa onde seu corpo repousava e ter que virar e ir embora porque não havia mais nada a ser feito.
Se você realmente me ama, e eu acredito que alguns sim,
se você realmente quiser me ajudar, este é o momento que mais preciso de você, sente-se ao meu lado, estenda a mão e pegue minha mão e diga "Minha amiga, eu vim para escutar, eu quero entender, eu quero ajudar "
Apenas segure a minha mão e ouça, isso é tudo que você precisa fazer, e se por acaso eu derramar uma lágrima, está tudo bem, e sinta-se a vontade para faze-lo também. Eu juro que eu vou lembrar até o dia em que eu ficar muito velha, da amiga que sentou-se e segurou a minha mão e deixou-me desnudar minha alma.


Autor-Kelly Cummings-12/8/03
Modificado por Tatiana Oliveira
Encontrado em Greving Mothers

DOR DE UMA MÃE:


Você me pergunta como estou me sentindo,mas você realmente quer saber? No momento em que eu tento dizer-lhe você diz que você tem que ir...Como posso te dizer, o que tem sido para mim viver sem meu filho, estou morta por dentro, estou quebrada e anestesiada por coisas que você não vê, não entende, a saudade e a dor são as piores...
Você me pergunta como estou me segurando,mas você realmente se importa? No momento em que eu começar a falar do meu coração, você começará a se contorcer em sua cadeira.
Porque eu sou tão solitária,você vê, os amigos já não vêm mais aqui, ninguém quer conviver com a dor, ninguém quer conviver com alguém que sabe tudo o que a morte pode nos tirar...
Vou levar as palavras que eu quero dizer e silenciosamente sufocá-las dentro de mim.
Todo mundo me evita agora, eu acho que eles não sabem o que dizer, eles me disseram que sempre estariam aqui por mim,
e em seguida, viraram-se e afastaram-se, chame-me se você precisar de mim, isso é o que todo mundo disse, mas como posso chamar e gritar no telefone a frase que nem eu mesma consigo escutar...Meu Deus, meu filho está morto...
Ninguém vai me deixar dizer as palavras que eu preciso dizer,
por que a dor de uma mãe faz com que todo mundo vá embora?
Estou cansado de fingir meu coração martela em meu peito,
Eu digo as coisas para torná-lo confortável, mas a minha alma não encontra descanso.
Como posso dizer-lhe coisas que são tão tristes até para serem ditas? Como falarei da dor de segurar o corpo de meu filho morto, frio, nos meus braços?
Talvez você possa me dizer, como deve-se comportar, quem teve que seguir o caixão de um filho sendo levado, assisti-lo sendo empoleirado acima de outro túmulo?
Você não pode imaginar o que foi para mim naquele dia ter que ao invés de beijar o rosto quente de um bebê, dar um beijo final sobre uma caixa onde seu corpo repousava e ter que virar e ir embora porque não havia mais nada a ser feito.
Se você realmente me ama, e eu acredito que alguns sim,
se você realmente quiser me ajudar, este é o momento que mais preciso de você, sente-se ao meu lado, estenda a mão e pegue minha mão e diga "Minha amiga, eu vim para escutar, eu quero entender, eu quero ajudar "
Apenas segure a minha mão e ouça, isso é tudo que você precisa fazer, e se por acaso eu derramar uma lágrima, está tudo bem, e sinta-se a vontade para faze-lo também. Eu juro que eu vou lembrar até o dia em que eu ficar muito velha, da amiga que sentou-se e segurou a minha mão e deixou-me desnudar minha alma.


Autor-Kelly Cummings-12/8/03
Modificado por Tatiana Oliveira
Encontrado em Greving Mothers

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...